28/06/2016 às 13h01m


Ganho de peso na gestação

A principal duvida que intriga as futuras mamães quando se trata da nutrição é "o quanto posso engordar?" e nós Nutricionistas calculamos o ganho de peso segundo o tempo de gestação, apenas o Nutricionista pode calcular um plano alimentar de ganho de peso para uma gestante.

Para sabermos o tempo de gestação fazemos o cálculo de semanas a partir da data da última menstruação, o ideal é que os bebês nascem com no mínimo 37 semanas para que essa gestação seja considerada "a termo", mas o ideal é que seja com tempo entre 39 semanas e 41 semanas e 6 dias, esse tempo de gestação reduz muito o risco da mortalidade fetal.

Mas por que a contagem de semanas é importante para a nutrição?

Segundo o Institute of Medicine (IOM-2009) o ganho de peso deve seguinte

IMC entre 18,5 e 24,9 (normal/adequado) – ganho de peso de 11kg a 16kg
IMC entre 25 e 29,9 (sobrepeso) - ganho de peso de 7kg a 11,5kg
IMC maior que 30 (obesidade) – ganho de peso de 5kg a 9kg
IMC menor que 18,5 (baixo peso) – ganho de peso de 12,5kg a 18kg

Mas como acontece esse ganho de peso?

O ganho de peso é diferente em cada época da gestação, que dividimos em 3 trimestres.

No primeiro trimestre existe um ganho de peso total, que é dividido para cada grupo de gestantes de acordo com o seu IMC e o segundo e terceiro trimestre o ganho é semanal.

Gestantes com baixo peso – primeiro trimestre ganho aproximado de 2,3kg e ganho de 0,5kg por semana no segundo e terceiro trimestre.
Gestantes com peso normal/adequado - primeiro trimestre ganho aproximado de 1,6kg e ganho de 0,4kg por semana no segundo e terceiro trimestre.
Gestantes com peso sobrepeso - primeiro trimestre ganho aproximado de 0,9kg, ganho de 0,3kg por semana no segundo e 0,2kg por semana no terceiro trimestre.
Gestantes com obesidade – não fazemos o ganho de peso no primeiro trimestre da gestação, essas gestantes devem ter um ganho de 0,3kg por semana no segundo e 0,2kg por semana no terceiro trimestre.

O ganho de peso adequado contribui para o crescimento sadio do feto, uma gestante que ganha peso excessivo não necessariamente dará a luz a uma criança com o peso adequado. O ganho excessivo de peso, assim como o baixo ganho de peso sempre resultará em algo ruim. Os dois maiores riscos para as gestantes quando ganham peso excessivo é o risco de desenvolverem Diabetes Gestacional e o risco da Hipertensão durante a gestação que leva ao quadro de Pré-Eclâmpsia e Eclâmpsia. Já para o bebê, o ganho excessivo de peso da mãe pode leva à macrossomia fetal, caracterizada pelo peso igual ou maior que 4kg ao nascer, os riscos para esse bebê são o de desenvolver Diabetes tipo 2, hipoglicemia neonatal, obesidade na infância e vida adulta.

O acompanhamento nutricional é essencial para ter uma gestação saudável, procure um nutricionista e faça o planejamento nutricional para o ganho de peso adequado na sua gestação, esse é o momento em que o futuro nutricional do seu bebê está sendo traçado. Procure sempre um Nutricionista apto para te atender.

Um super beijo da Nutri

http://www.abeso.org.br/pdf/Obesidade%20e%20gestacao.pdf



Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas: peso - aumento - nutrição


Compartilhe:



21/06/2016 às 08h50m


Estou grávida! E agora?

Chegou o momento mais delicinha do blog, vamos falar sobre as futuras mamães e como deve ser todas as mudanças que irão ocorrer nos próximos meses.

Quando a mulher descobre a gestação ela está de pelo menos 4 semanas, a gestação é toda contada em semanas e não, não nascemos de 9 meses! Uma gestação com tempo ideal deve durar entre 39 e 41 semanas completas, então podemos dizer que nascemos com 10 meses.

O primeiro trimestre da gravidez é marcado por alguns sintomas clássicos como os famoso enjôos. Os enjôos acontecem, pois no primeiro trimestre a placenta está sendo formada e produzindo altos níveis de hormônios que são necessários durante a gestação, sendo assim, por mais que sejam incômodos os enjôos é um bom sinal de que tudo anda bem.

Devido à alta produção de hormônios as mamas começam a sentir as modificações da gestação, os mamilos ficam mais sensíveis ao toque, as mamas ficam mais volumosas e doloridas, um fato curioso, é que os mamilos ganham um tom mais escuro, isso acontece devido ao hormônio melanocítico que também é responsável pelo aparecimento da linea nigra que é aquela linha mais escura que aparece bem no meio da barriga de algumas gestantes, essa linha costuma começar acima do umbigo e seguir até o púbis. No terceiro trimestre da gestação, devido à alta concentração de prolactina hormônio responsável pela fabricação do leite é comum a secreção de leite pelos seios, essa secreção meio amarelada é o colostro e é o primeiro leite que o corpo da mulher produz.

E o famoso "pum"... pois é, durante a gestação é comum ter mais gazes, na verdade, sejamos sinceras, um punzinho não faz mal a ninguém! Mas quando os gazes são excessivos, a ponto de causar cólica intestinal a gestante deve relatar ao nutricionista para que a sua dieta seja reajustada. Dietas ricas em fibras e frutas como ameixa, mamão, laranja, ajudam no transito intestinal que, devido à gestação e modificações hormonais, está mais lento. A constipação intestinal é outra queixa comum das futuras mamães, isso ocorre principalmente no final da gestação. Novamente um dos responsáveis pela constipação intestinal é um hormônio, dessa vez a progesterona, mas também devemos levar em consideração a compressão que o útero e o bebê fazem em cima do intestino.

Outra alteração comum durante a gestação é o inchaço nas pernas e pés, esse inchaço ocorre devido ao ganho de peso e à compressão exercida pelo útero sobre a veia cava, o retorno venoso fica dificultado durante a gestação. A gestante deve evitar permanecer muitas horas em pé, assentada ou deitada, o ideal é que a gestante se movimente, ande mas também descanse. E quando as pernas e pés estiverem inchados o ideal é deitar-se com as pernas e pés mais elevadas, sobre uma almofada por exemplo.

Já aquela vontade louca de urinar que as gestantes sentem é devido à pressão do útero sobre a bexiga, com isso a bexiga fica cheia com um volume menor de urina e a gestante sente vontade de urinar, aliás, vontade constante de fazer "xixi" é um sintoma de gravidez, vamos ficar de olho! Reduzir a ingestão de água para evitar a vontade de ir ao banheiro não é uma boa idéia, durante a gestação o corpo da mulher necessita de uma ingestão adequada de água, tanto para ajudar no transito intestinal quanto pela necessidade aumentada devido a gestação em si.

A dica para as futuras mamães é, procurem um nutricionista e façam o planejamento nutricional adequado para a sua gestação! A gestação é um momento crucial para toda a vida do seu filho! Procurem um nutricionista apto a te atender e faça o acompanhamento pré-natal!

Um super beijo da Nutri



Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas: gravidez - nutrição - dia-a-dia


Compartilhe:



Você conhece alguém ou já passou por algum momento em que sentiu vontade de comer o mundo e foi lá e comeu? Pois é, isso se repete sempre? Essa é a principal característica do Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica.

O Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica é caracterizado por episódios de descontrole onde a pessoa ingere compulsivamente um ou mais tipos de alimentos em grande quantidade e em um espaço de tempo curto, como alguns minutos ou algumas horas. A segunda característica desse transtorno é a ressaca moral que fica após esse tipo de episódio.

Assim como nos outros transtornos, o Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica acontece como em um ciclo, onde ocorre o consumo desenfreado de alimentos, seguido de uma sensação de culpa e um sentimento de perda total do controle como se a pessoa não conseguisse controlar a quantidade e a velocidade com que está comendo o alimento.

A prevalência desse transtorno ocorre na proporção de 3:2 de mulheres para homens e ocorre principalmente em pessoas com sobrepeso ou obesidade. E por que isso acontece? Geralmente o indivíduo que deseja emagrecer não sabe qual o caminho tomar para alcançar a perda de peso, então enfrenta dietas muito restritivas, longos períodos sem se alimentar, dietas com alimentos de difícil acesso, então isso tudo desencadeia um episódio de compulsão. Outra característica desse e de outros transtornos é a ansiedade, depressão, sentimento de culpa e fracasso o que serve de estopim para desencadear novos episódios de compulsão.

O Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica pode estar presente em outros transtornos, como na Bulimia Nervosa, mas também pode ocorrer sozinho em pessoas que apenas tem os episódios de compulsão, mas não fazem uso de nenhuma estratégia de compensação para se livrarem do que consumiram.

O mais importante em todo tipo de Transtorno Alimentar é o apoio familiar e dos amigos, é buscar por profissionais capacitados para atender essa pessoa, buscar a educação nutricional e uma reeducação alimentar, procurar por bons médicos, psicólogos, que estejam aptos a receber e tratar esse paciente. Volto a lembrar que todos as pessoas que possuem Transtornos Alimentares precisam ser tratados por uma equipe Transdisciplinar, os Transtornos Alimentares são doenças graves que podem levar à morte, seja por desnutrição severa, por uso de medicamentos, por doenças ligadas à obesidade ou pelo suicídio, sendo que o suicídio é um ato que ocorre muito entre as pessoas com Transtornos Alimentares.

Procure ajuda, não perca tempo.

Um super beijo da Nutri


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas: transtornos alimentares - compulsão alimentar - nutrição


Compartilhe:



O que você faria para ser magra?

A pergunta continua nos transtornos alimentares, essa é uma pergunta que não cala, mas a resposta é sempre a mesma, qualquer coisa é válida para permanecer magra!

A Bulimia Nervosa aparece principalmente durante a adolescência, mas uma de suas características é perdurar pela vida adulta, em pessoas com faixa etária entre 30 e 50 anos. Atingindo principalmente mulheres, mas também é uma doença que acomete homens, aproximadamente 30% das pessoas Bulímicas são obesas, o que se torna um fator agravante para o diagnostico e tratamento precoce.

A Bulimia Nervosa acontece em um ciclo vicioso, onde a pessoa consome um alimento, se sente culpada e triste, utiliza-se de um método para tentar se livrar do alimento, como no caso de provocar o vômito, o uso de laxantes, de chás diuréticos, remédios para emagrecer, que são os chamados métodos compensatórios, mas após esse episódio de vômito, por exemplo, os sentimentos de culpa e tristeza não passam, então volta à vontade de comer e o ciclo se reinicia. O paciente Bulímico geralmente sofre também de compulsão.

Sobre os fatores que levam ao desenvolvimento da Bulimia Nervosa, além dos fatores psicológicos, podemos observar a constante vontade de ser magro, sentimento de tristeza, angustia e sentimento de culpa ao consumir algum alimento, a classificação de alimentos "engordativos" como aqueles alimentos que a pessoa acredita que a façam engordar.

Os sintomas são principalmente a compulsão alimentar, quando a pessoa consome grandes quantidades de alimento em um curto espaço de tempo, a utilização de métodos compensatórios como o uso de laxantes, vômitos provocados pela própria pessoa, descontrole com a ingestão e quantidade dos alimentos, sentimentos de culpa atribuídos ao alimento.

Os Transtornos Alimentares devem sempre ser tratados por profissionais capacitados para tal tratamento, necessita-se de uma equipe transdisciplinar, com nutricionistas, médicos psiquiatras, psicólogos, terapeutas, entre outros. Procure sempre ajuda de profissionais capacitados para te ajudar.

Tenham todos uma ótima semana.

Um super beijo da Nutri.


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas: transtornos alimentares - bulimia - nutrição


Compartilhe:



31/05/2016 às 09h12m - Atualizado 02/06/2016 às 09h50m


Transtornos Alimentares - Anorexia Nervosa

O que você faria para ser magra?

A dúvida persiste nos Transtornos Alimentares, martela na cabeça da pessoa 24 horas por dia, é um pensamento contínuo que não a deixa descansar. O medo de ganhar peso é o sentimento mais frequente, vale tudo para permanecer cada vez mais magra.

A Anorexia Nervosa atinge cerca de 8 a cada 100 mil jovens com idades entre 13 e 25 anos, mas pode aparecer em idades inferiores a 13 anos e se estender para a vida adulta.

A Anorexia Nervosa uma doença silenciosa e pode ser desencadeada por alguns motivos como, por exemplo, em crianças que sofrem bullying por estarem acima do peso ou meninas que sonham em seguir carreira como modelo, também mulheres que ligam magreza a status ou poder, querem vender uma imagem, ocorre também em pessoas que desejam ser como atrizes ou modelos, desejando ser cada vez mais magras para alcançar seus objetivos.

Os fatores estão sempre ligados com a falsa idéia do perfil de beleza imposto, como o magro sendo belo. Em parcela, a mídia tem culpa no crescente número de casos de pessoas que tentam a todo custo alcançarem um corpo perfeito, essa idéia é vendida sem nenhuma cerimônia e com a idéia de que é fácil alcançar esse padrão.

Os sintomas da Anorexia Nervosa são a restrição calórica, ingestão de alimentos em quantidade muito menores do que as necessárias à sobrevivência; Perda de peso repentina e recusa ao ganho do peso perdido, o medo de engordar é exagerado; Percepção do corpo sempre em tamanho e proporções maiores do que realmente está, quando a pessoa se enxerga mais "gorda" ou "acima do peso" mesmo estando em baixo peso; Controle excessivo do peso, como pesar-se várias vezes ao dia para manter o controle do peso; entre outros.

O tratamento deve ser realizado sempre por uma equipe transdisciplinar, com nutricionistas, médicos psiquiatras, psicólogos, terapeutas, entre outros. Procure sempre ajuda de profissionais capacitados para te ajudar.

Na semana que vem continuaremos a falar sobre os Transtornos Alimentares.

Um super beijo da Nutri


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas: anorexia - magra - anorexia nervosa - nutrição - transtorno


Compartilhe:



24/05/2016 às 09h01m


Transtornos Alimentares

O que você faria para ser magra?

Muita gente responde essa pergunta com um curto e incisivo "Qualquer Coisa". Exatamente assim, muitas mulheres e homens fazem qualquer coisa para serem magros e se encaixarem em padrões determinados pela sociedade.  Mas até onde é saudável esse "fazer qualquer coisa", até onde se pode ir, chegando a um limite aceitável? Para muitas pessoas não há limite, assim se caracterizam os transtornos alimentares.

Existem vários tipos de transtornos alimentares como, Anorexia Nervosa, Bulimia Nervosa, Transtorno de compulsão alimentar periódica, Transtorno de evitação, Transtorno de purgação, entre outros. Os Transtornos Alimentares atingem principalmente adolescentes com idades entre 13 e 25 anos e indivíduos obesos.

Geralmente os Transtornos Alimentares estão associados a algum transtorno psíquico, como a depressão, a ansiedade, ao Transtorno de Imagem, mas por que e como isso acontece?

A busca incessante pelo corpo perfeito é alimentada pela mídia, seja por meio de revistas, programas de TV e novelas, internet, redes sociais, etc., os corpos sempre sarados e a imagem de corpo perfeito são vendidos sem nenhum critério, as propagadas do "Emagreça 10kg em 5 dias" ou aquele exercício milagroso que faz chapar a barriga, esse tipo de informação é veiculada sem nenhum senso crítico, a idéia da indústria é vender, seja o suplemento que faz crescer, a cinta que afina a cintura, o aparelho que reduz a gordura localizada ou os remédios usados nos transtornos.

E qual o preço que você quer pagar? O indivíduo que apresenta um transtorno alimentar quer pagar qualquer preço, é o verdadeiro "morro magra, mas morro feliz".

O que as pessoas não entendem é que, o risco de vida é real nesses indivíduos, seja pela desnutrição profunda caudada pelo Transtorno Alimentar, seja pelos medicamentos que muitas pessoas utilizam como laxantes, diuréticos, estimulantes ou por suicídio, que é alto nesse grupo de pessoas.

Uma característica comum nesses pacientes é o sentimento de angustia, culpa, medo, raiva,  insatisfação. Geralmente as crises acontecem quando, por exemplo, no caso do paciente compulsivo, não está satisfeito com o seu corpo, sente-se muito triste e então come como se o mundo fosse acabar, logo a pessoa é tomada por um sentimento de culpa e tristeza por ter comido aquele alimento e algumas pessoas se purgam tomando laxantes, outras pessoas provocam o vômito, ainda tem pessoas que passam horas sem se alimentar novamente ou praticam exercícios exageradamente, são vários perfis, mas todos sofrem com o Transtorno Alimentar seja ele qual for.

O tratamento deve sempre ser realizado com uma equipe transdisciplinar, com nutricionistas, médicos psiquiatras, psicólogos, terapeutas, entre outros.

Se você sofre com algum transtorno alimentar não sofra sozinho, peça ajuda, saiba que você não está sozinho e existem pessoas que podem lhe ajudar, procure ajuda de profissionais capacitados.

Sobre cada transtorno, falarei nas próximas postagens, um super beijo da Nutri,


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas: transtornos - alimentação - nutrição


Compartilhe:



Muitas pessoas me questionam sobre a tal "barriguinha de chope", essa gordura acumulada na região abdominal é extremamente prejudicial à saúde. A gordura visceral, aquela que se acumula envolta dos nossos órgãos é o principal fator de risco para o desenvolvimento das doenças crônicas não transmissíveis, aquelas doenças ligadas à obesidade. Os falsos magros, aquelas pessoas que são visualmente magras, mas que tem o percentual de gordura alto e a gordura se localiza principalmente na região abdominal, envolta do umbigo, devem ficar alertas, estão correndo um sério risco de desenvolverem Diabetes tipo 2, Hipertensão Arterial, Síndrome Metabólica, Doenças Cardiovasculares, entre outras.

Mas por que ocorre esse acumulo de gordura? Quais os hábitos que nos levam a adquirir essa barriguinha de chope?

Consumo de álcool.

O consumo regular de álcool além de provocar distúrbios hormonais, tais como queda da testosterona, o consumo de álcool leva a processos inflamatórios, doenças de fígado e um comprometimento do metabolismo de gorduras. Além de tudo, o álcool muito calórico, esse excesso de calorias pode sim, ser acumulado na região abdominal na forma daquela indesejada barriga de chope.

Consumo excessivo de açúcar

O consumo diário de alimentos ricos em açúcar como, sucos de caixinha, refrigerantes, doces, etc., alimentos que possuem na sua composição em maior quantidade ingredientes como o xarope de milho, o amido, amido modificado, dextrose, malto, maltodextrina, entre outros, são alimentos fontes de açúcar simples. Esse açúcar em grande quantidade ofertado ao seu corpo é convertido grande parte em gordura para ser armazenado. Nosso corpo pode transformar aquele açúcar em gordura para ser armazenado. Então a barriga cresce!

Gordura Trans

Sabe aquele salgadinho inofensivo ou aquele biscoito que permanece crocante mesmo após 1 ano da data de fabricação, pois é, mesmo que na embalagem venha escrito "0% gordura trans" é impossível isso ser verdade! Mas como isso é possível? Propaganda enganosa? Não, o governo autoriza as empresas a declararem que o produto é 0% gordura trans quando ele tem menos do que uma determinada quantidade de gordura trans por porção. Então todo aquele biscoito que você comeu, todo aquele sorvete, todos aqueles alimentos industrializados impregnados de Gordura Trans que você consumiu, seu organismo acumulou aquela gordura no seu abdome.

Não existe milagre, existe mudança de hábito, mudança no estilo de vida. Procure um Nutricionista capacitado para te auxiliar a mudar os seus hábitos, não é uma mudança da noite para o dia, mas eu sei que você é capaz de mudar.

Um super beijo da Nutri.


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas: barriga - diminuir - nutrição


Compartilhe:



12/05/2016 às 09h39m


O peso aumentou e agora?

Uma das maiores preocupações que as pessoas tem é com o peso da balança, preocupação essa que é desfeita por mim lá no consultório.

O peso aferido por uma balança é o peso total, bruto, e por ele não conseguimos identificar a composição corporal do indivíduo, sendo assim, o peso de balança não é tão importante! Mas como assim? Indivíduos que praticam atividade física regularmente podem apresentar um peso de balança mais elevado, mas não necessariamente são obesos, pois seu corpo pode ser composto em maior quantidade por peso magro e em menor quantidade por gordura, enquanto um individuo sedentário, com o mesmo peso, pode apresentar um peso maior em gordura e menor em peso magro, estamos falando da composição corporal.

A segunda dúvida mais frequente que escuto no consultório, associada ao peso de balança, é o sobrepeso e obesidade segundo o IMC. O Índice de Massa Corporal (IMC) é um calculo matemático que divide o peso/altura², esse dado é usado em pesquisas populacionais pela OMS – Organização Mundial da Saúde, por ser um método barato, simples e rápido, conseguindo identificar pessoas em risco para as doenças crônicas não transmissíveis, as doenças relacionadas à obesidade. Mas e ai, segundo o IMC você está em sobrepeso ou obesidade, o que fazer? Dentro de um acompanhamento nutricional, cada profissional toma uma conduta, eu Nutricionista Giuliana Paiva, não costumo avaliar meu paciente apenas pelo IMC, na verdade utilizo primeiro outros dados para fazer o diagnóstico do estado nutricional do meu paciente, após avaliar alguns dados, eu utilizo ou não o IMC. Mas por quê? Porque entramos novamente na questão do peso, em uma pesquisa populacional onde o peso e a altura são os dados mais fáceis e simples de serem avaliados o 
IMC é o melhor método a ser utilizados, mas dentro da prática clinica existem outros métodos melhores e mais específicos.

Mas então, qual é a melhor forma de avaliarmos o peso?

O percentual de gordura é a melhor forma de avaliarmos o peso, pois com esse dado podemos identificar quanto de peso magro e quanto de peso gordo o indivíduo possui, a partir de então conseguiremos classificar o risco real que esse indivíduo corre para desenvolver as doenças causadas pela obesidade, também conseguimos identificar a região de maior acúmulo de gordura desse indivíduo. Com esse dado em mãos, podemos dizer o quanto o ponteiro da balança precisa ou não descer, pois o que propomos sempre é a perda do peso gordo, por esse motivo a avaliação antropométrica é tão importante no acompanhamento nutricional.

E agora meus amores, vocês vão subir na balança sem neura? Procurem um profissional Nutricionista ou Educador Físico, capacitados, para fazerem a sua avaliação antropométrica, não sofram com a balança, procurem saber a composição corporal de vocês.

Um super beijo da Nutri.


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas: peso - aumento - nutrição


Compartilhe:



03/05/2016 às 08h29m


Ansiedade e o ganho de peso

Você é daquelas pessoas que dizem que engordam por ansiedade? Tudo bem, mas vamos entender melhor isso.

A ansiedade é um tipo de sentimento, o ganho de peso acontece quando você ingere mais calorias do que necessita. Então a ansiedade engorda? A resposta é definitivamente, Não!

Eu concordo que muitas pessoas se sentem ansiosas e acabam descontando nos alimentos, mas nesse caso o que te fez ganhar peso não foi a ansiedade e sim o modo com que você lida com esse sentimento de angustia.

Geralmente pessoas ansiosas tem um comportamento compulsivo, seja para comprar, para fazer atividade física, para deixar de comer ou comer em excesso. Esse processo varia de pessoa para pessoa e se o seu caso é a compulsão por comer, sinto em lhe informar, a ansiedade não engorda, mas a compulsão sim!

A compulsão pode ser aquele habito discreto de, por exemplo, comer balas ou chocolate porque isso te acalma, o problema não é comer esporadicamente, mas sim comer diariamente, porque isso vai somando calorias e no final do mês a balança sobe!

Mas como tratar o ganho de peso associado a ansiedade? A ansiedade e a compulsão precisam ser tratadas, assim como o ganho de peso! Dois profissionais irão te auxiliar nesse processo, o Nutricionista e o Psicólogo, já que estamos falando de dois problemas diferentes e um acarreta o outro, a ansiedade e a compulsão são problemas psicocomportamentais e o ganho de peso é um problema nutricional.

Não seja seu próprio refém, cuide-se, procure ajuda profissional, procure um bom Nutricionista e um bom Psicólogo para te ajudarem a sair dessa situação que pode parecer, mas tem solução.

Um super beijo da Nutri


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas: ansiedade - peso - nutrição


Compartilhe:



26/04/2016 às 08h53m


Efeito sanfona – como evitar

O Efeito Sanfona é muito comum, muitos pacientes chegam ao consultório relatando passar por esse momento, onde a pessoa perde uma grande quantidade de peso em um curto espaço de tempo e logo em seguida ganha peso novamente, provavelmente mais peso do que perdeu.

Mas qual o motivo disso acontecer?

O corpo humano é muito inteligente, nós não conseguido enganá-lo com tanta facilidade! Muitos métodos são utilizados, como a dieta da proteína ou da sopa, o uso de medicamentos que inibem o apetite, medicamentos que provocam saciedade, o uso de shakes e chás, enfim, existem muitos artifícios que prometem a perda de peso rápida, mas quando o processo de emagrecimento acaba o ganho de peso é certo, então ocorre o efeito sanfona.

O nosso corpo estoca energia na forma de gordura, isso ocorre porque ingerimos mais energia do que gastamos, energia é a caloria os alimentos. Quando promovemos um emagrecimento rápido nosso corpo entende que estamos em carência, isso ocorre porque até então você ofertava mais energia ao seu corpo do que ele precisava, e de uma hora para a outra essa oferta caí bruscamente. Na natureza existem os momentos de escassez de alimentos e é por isso que o nosso aprendeu, com a evolução humana, a estocar energia.

Quando racionamos energia para o nosso corpo ocorre o catabolismo proteico, que é quando o seu corpo utiliza a massa muscular para a obtenção de energia. Sendo assim, quando emagrecemos muito rápido nosso corpo perde o peso magro, da massa muscular, poupando o peso gordo, que é a gordura acumulada.

Mas por que o ganho de peso tão rápido? Não é interessante para o nosso corpo perder peso magro, aquele momento da dieta foi entendido pelo corpo como um momento adverso, de carência realmente, então quando a pessoa volta a ofertar mais energia para o corpo, rapidamente o corpo reestabelece o volume de peso magro.

Agora, uma curiosidade, por que quando isso acontece a pessoa tende a ganhar mais peso do que perdeu? Lembram que eu disse acima que o nosso corpo é muito inteligente e encara esses períodos de dietas severas como um momento de carência? Então! Nosso corpo após reestabelecer o que foi perdido, tende a guardar mais gordura para que o corpo esteja preparado para passar por mais momentos de carência como esse.

Então meus amores, a dica é, não façam loucuras, não peguem dieta da internet ou de outra pessoa, nós temos necessidades diferentes uns dos outros, então procurem um Nutricionista capacitado para te atender!

Um super beijo da nutri;


Autor: Giuliana Paiva

Tags relacionadas: efeito sanfona - como evitar - nutrição


Compartilhe:



Perfil

Giuliana de Paiva, Nutricionista formada pela Faminas, especializando em Nutrição Clínica e Esportiva. Atendendo a cidade de Cataguases e região, seu trabalho é voltado para o público praticante de atividade física e também para as pessoas que buscam qualidade de vida e mudanças nos hábitos alimentares. Trabalha com consultório, palestras, personal diet, com grupos, fazendo um trabalho totalmente individualizado e personalizado.
Todos os direitos reservados a Marcelo Lopes - www.marcelolopes.jor.br
Proibida cópia de conteúdo e imagens sem prévia autorização!
  • Faça Parte!

desenvolvido por: