08/09/2016 às 08h38m


A roda da abundância — Parte III

Agradecer

Costumo dizer que a gratidão é a mãe de todas as virtudes. Não digo isso porque a frase é forte e causa efeito, mas porque é a mais pura verdade.

A gratidão é como o sistema de realimentação de um processo cibernético. Ao colocar 21ºC no controle de um aparelho de ar-condicionado, você coloca inteligência em uma máquina. Sempre que a temperatura ultrapassar os 21ºC na sala onde estiver o ar-condicionado, este iniciará o processo de resfriamento; e sempre que a temperatura da sala cair abaixo dos 21ºC, este irá interromper o processo de resfriamento, mantendo a sala na temperatura determinada.

A temperatura da sala é a realimentação (feedback) para o bom funcionamento do ar-condicionado. E a gratidão é a realimentação para continuarmos recebendo aquilo que nos deixa satisfeitos.

É comum ouvirmos as pessoas dizerem que não conseguiram o que queriam ou que perderam o que tinham. Raramente as escutamos dizer que gostariam de ter determinada coisa e a conseguiram ou que não gostariam de outra e, realmente, não a têm...

Se você quer mais daquilo de que gosta, agradeça mais por aquilo que tem. E aprecie aquilo que você tem para obter aquilo que quer!

Quando a roda da abundância é impulsionada pelos atos de declarar (declarações têm o poder de mudar a realidade se feitas com autoridade), solicitar (só recebe quem solicita) e arriscar (quem arrisca, confia, e é retribuído por isso), ela está girando a seu favor. E, quando a roda gira a seu favor, você não precisa mais fazer tanto esforço, pois o movimento se torna natural. Certo? 

— Quase certo! Falta fazer a sua parte e agradecer ao Universo. 

Você gosta muito de alguém e lhe dá um presente. A pessoa recebe o presente, guarda e não fala nada. Você dá outro presente e, igualmente, a pessoa guarda sem falar nada. Você repete o gesto amável mais uma vez e, novamente, não tem qualquer manifestação da pessoa. O que você faz? Pára de dar presentes para aquela pessoa. Ou pior: recusa-se a continuar sendo gentil para com ela e a prestar-lhe qualquer favor, por menor que seja.

Dê um retorno ao Universo: agradeça. Diga que "gostou do presente" e manifeste gratidão por tudo o que você quer e tem recebido, e por tudo o que você não deseja e não tem recebido.


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



03/09/2016 às 09h08m


A roda da abundância — Parte II

Solicitar

Pedir é fundamental. Se não pedimos, como esperamos receber alguma coisa? Isso é verdadeiro em relação a tudo na vida. Você quer comer um sanduíche. Então, você vai a uma lanchonete, aproxima-se do balcão e fica lá, parado. Depois de alguns minutos, reclama da demora com o balconista. Sabe o que ele vai lhe dizer? — Desculpe-me, mas você não pediu nada.

A simplicidade do exemplo não reduz o alcance da verdade exemplificada. 

Vivemos de acordo com leis universais. Tudo o que se aplica à Terra também se aplica em relação aos Planos Superiores. Se você chegar à lanchonete e pedir um sanduíche de queijo branco com presunto no pão francês, vai recebê-lo da forma como pediu, desde que tenha sido claro ao fazer o pedido. Mas se você chegar à lanchonete e pedir um sanduíche igual ao que foi servido na mesa ao lado da sua, estará correndo o risco de receber algo de que não gosta, como um sanduíche de salame com mostarda no pão sírio, por exemplo.

Pedir é importante. Saber como pedir e o que pedir são ainda mais. Solicitação gera poder!

Arriscar

Arriscar é vencer o medo. Arriscar é ousar e, antes de mais nada, confiar! Confiar no Universo e em si mesmo. A maioria das pessoas não tem medo de andar. Elas têm certeza do que lhes acontecerá a cada movimento de pernas. No entanto, uma pessoa que tenha ficado paraplégica, mesmo após muitas sessões de fisioterapia, sentirá medo. Se ela não se arriscar a dar os primeiros passos, poderá nunca sair da cadeira de rodas. Talvez, até, nem o consiga; mas, se não arriscar, nunca saberá.

Quando você se arrisca e confia, o Universo aplaude e retribui.

A um passo da vitória
É nesse "um passo" que se encontra o risco. Quem se aventura a dar esse passo pode ter tudo ou nada. E a coragem para se arriscar? Onde encontrá-la?

Imagine que nós dois subimos ao último andar de um prédio de 50 andares. Lá no alto, eu coloco uma tábua de dois palmos de largura da janela do andar em que nos encontramos à janela do prédio em frente. Eu peço-lhe que passe de um prédio para o outro. — Você se arriscaria?

Agora, imagine a mesma situação. Porém, na janela do prédio em frente encontra-se um seqüestrador com uma arma apontada para a cabeça da sua mãe, dizendo que só a deixará viva se você lhe entregar o dinheiro do resgate pela janela. — O que você faria?

Ninguém se arrisca em troca de nada. Os riscos dependem sempre do que você tiver a ganhar, e isso é muito relativo. 

Cada vez que confiamos, nos arriscamos e nos saímos vitoriosos, ganhamos algo além do que estava envolvido no risco. Independentemente do que estiver em jogo, ganhamos autoconfiança que, nos impulsiona cada vez mais para frente, levando-nos a vencer obstáculos e ousar mais e mais. 


e-mail: lrsintonia@terra.com.br



Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



25/08/2016 às 08h37m


A roda da abundância — Parte I

Para aprender a lidar com a matéria é preciso saber colocar a roda da abundância em movimento. A sua habilidade de gerar riqueza é proporcional à velocidade com que a roda da abundância gira na sua vida, e dois fatores determinam essa velocidade: o acelerador e o freio de mão.

Primeiro, sintonize-se!

O Universo é próspero e potencialmente abundante. Em cada dimensão do Universo, essa prosperidade e abundância manifestam-se de determinada forma. A Terra é a expressão máxima da materialidade do Universo. Aqui, prosperidade e abundância costumam ser manifestadas na forma de bens materiais. Antes, porém, ambas precisam existir na forma mais sutil, que nós conhecemos como "estado de espírito". 

É pelo estado de espírito que nos sintonizamos com o Universo. E quando estamos sintonizados, nos tornamos co-criadores da nossa realidade e manifestamos riquezas materiais.

Os tipos de pessoas em relação à roda da abundância

A roda da abundância tem dois lados: o doar e o receber. Relativamente a esses lados, existem quatro tipos de pessoas:
• SOBERBAS – Têm problemas em receber. São capazes de prestar favores a outros, mas não gostam de receber favores de ninguém.
• EGOÍSTAS – Sabem receber, mas não querem doar. Só querem o vem-a-nós...
• ESTÉREIS – Não querem dar nem receber. São os eremitas financeiros.
• PRÓSPERAS – Tanto doam quanto recebem. São capazes de gerar prosperidade para si e para aqueles com quem se relacionam. Infelizmente, são poucas as pessoas desse tipo.

Os quatro verbos a ser conjugados

Cada quadrante da roda da abundância corresponde a uma atitude: declarar, solicitar, arriscar e agradecer. A prática contínua dessas formas de ação gera um padrão de energia que nos sintoniza com a abundância universal e permite que ela flua até nós. 

Declarar
Só declara alguma coisa quem tem autoridade para isso. Quando uma declaração é feita por quem tem autoridade, ela define uma realidade.

Você não pode declarar que sua amiga e o namorado dela estão casados perante a lei, a menos que seja juiz. Mas se um juiz os declara marido e mulher e, no instante seguinte, um deles muda de idéia, só mesmo o divórcio para reverter a situação, pois a declaração do juiz mudou a realidade jurídica do casal.

Use a autoridade que você tem sobre a sua vida para criar a sua realidade. O Universo reconhece e respeita o livre-arbítrio humano, que reflete a autoridade de cada um para decidir sobre a própria vida.

Afirmações
Quando passa a ter certeza da sua autoridade sobre si mesmo, você aprende a declarar, e quando aprende isso, descobre o segredo das afirmações: usar a própria autoridade sobre si mesmo para se auto-influenciar. 

Afirmações poderosas:
Eu sou a força criadora da minha vida. Eu sou responsável por criar a minha própria riqueza.
Eu sou o resultado dos meus pensamentos. Pensamentos de qualidade produzem resultados de qualidade.
Eu sou competente para fazer a roda da abundância girar mais rapidamente na minha vida.
Eu sou um ser abundante e próspero que vive em um universo potencialmente abundante e próspero. A falta de dinheiro, caso exista, é questão temporária.
Eu sou os meus pensamentos em ação. O dinheiro que tenho no banco ou aplicado em outros investimentos é proporcional à qualidade dos meus pensamentos.


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas: abundância - sintonizar - roda - motivação


Compartilhe:



19/08/2016 às 17h11m


A construção da riqueza

Assim como não se constrói uma casa começando pelo telhado, mas sim pelo alicerce, a construção da riqueza também tem o seu alicerce. 

Para se tornar próspera, uma sociedade precisa ter: 

• organização social, com um sistema educacional e de saúde funcionando satisfatoriamente; 
• ordem pública, com um eficiente sistema de combate às drogas e à violência; 
• infra-estrutura sólida, para suportar o peso do edifício da riqueza; 
• integrantes cientes do papel que desempenham e proativos, no sentido de gerar novas riquezas, não só a curto, mas também a médio e a longo prazos;
• diretrizes econômicas bem-definidas, pois economizar é fundamental, tanto para indivíduos quanto para nações que queiram gerar riquezas;
• instituições ricas, pois estas fazem um país rico.

Vivemos na era do capital intelectual e, pela primeira vez na história da humanidade, um dos homens mais ricos do mundo é proprietário apenas de conhecimento. Bill Gates, em termos absolutos, atingiu uma fortuna duas vezes maior que a de Rockefeller, vendendo apenas conhecimento.

Hoje, a moeda mudou: você é rico ou pobre em conhecimento. 

É pelo conhecimento que acontecem os avanços tecnológicos, proporcionando o crescimento da economia. No entanto, o uso indiscriminado da tecnologia pode matar muito mais que o câncer. Cada posto de trabalho eliminado pela tecnologia é um consumidor a menos na sociedade. (Robôs não consomem os produtos por eles fabricados.) Drogas, prostituição, violência e terrorismo são fugas para quem foi excluído da era do conhecimento.

Lembre-se: o somatório de ótimos locais não constitui, necessariamente, uma ótima nação ou um ótimo planeta.

Por outro lado, pessoas mais habilitadas devem buscar novos paradigmas, inventando novos produtos e processos, em uma constante inovação.

O progresso econômico e a geração de riquezas estão diretamente ligados ao investimento de capital em fábricas, equipamentos, habitação e infra-estrutura. Temos de alcançar o progresso econômico em um desenvolvimento sustentável, a médio e longo prazos.

Infelizmente, estamos todos assistindo passivamente à destruição do mundo, enquanto aqueles que determinam o destino da humanidade, envolvidos no dia-a-dia, pensam apenas no curto prazo.

Temos de trocar o nosso modelo cartesiano, mecanicista e reducionista, por um modelo ecológico, no qual o ótimo global será o somatório dos ótimos locais.


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas:


Compartilhe:



11/08/2016 às 13h06m


Começando a aprender

Você já deve ter ouvido dizer que estamos neste mundo para aprender. Mas aprender o quê? 

O ser humano é pura energia, e energia prescinde de matéria física para existir. Então, se nós, que somos pura energia, nos encontramos na Terra com um corpo físico e dependendo de coisas materiais para viver, certamente é porque precisamos aprender a lidar com a matéria.

Antes disso, porém, é preciso acreditar no poder do invisível, pois energia é invisível. A energia elétrica, por exemplo, tem inúmeras manifestações, mas nenhuma matéria física. E você não duvida de que ela exista.

E é preciso entender, também, que a energia tem mais poder que a matéria. Enquanto não existe uma energia agindo sobre uma pedra, por exemplo, ela é só uma pedra. Ela só será capaz de atingir as águas de um lago se você a arremessar nele. 

Existe um significativo componente metafísico (transpessoal e espiritual) na prosperidade. Não é por acaso que a Bíblia é o livro mais próspero de que se tem conhecimento. Além de ser o livro mais lido do mundo, um fenômeno editorial, o que por si só já a torna referencial de sucesso, na Bíblia também encontramos mais de 600 citações sobre prosperidade. Para ilustrar esse componente metafísico, nada melhor que o primeiro milagre de Cristo: a transformação da água em vinho pela sua intenção e pensamento divinos.

A mente pode controlar a matéria?

Sim, a mente pode controlar a matéria, mas é preciso cautela. Às vezes, você pode achar que está lidando com algum aspecto metafísico do seu ser, quando, na verdade, está apenas diante de alguma apresentação distorcida da realidade que pode criar em você uma ilusão de poder e lhe dar falsas expectativas quanto ao seu potencial. Andar sobre brasas é um exemplo disso. O contraste das fagulhas incandescentes e do calor da brasa com o escuro e frio da noite tornam esse feito espetacular, mas isso é apenas uma metáfora. 

Se você já andou sobre brasas, não pense que conseguirá suportar altas temperaturas com a mesma técnica. Você andou sobre brasas provenientes da queima de madeira, onde não havia chamas, mas fumaça, e a madeira desidratada possui conteúdo de calor relativamente baixo e condutividade mínima.

A condutividade do calor é relativa às propriedades físicas dos materiais. É por isso que, numa noite fria, você sente mais frio se pisar descalço em um piso de ladrilho do que num assoalho de madeira.

Andar em brasa de madeira fumegando, à noite, apesar de parecer espetacular, não é controle da mente sobre a matéria. É apenas a manifestação de uma lei física. Na noite de São João, nas famosas festas juninas do interior, é costume o caipira andar na brasa sem nenhum treinamento prévio. Apenas obedecendo às leis da física.

Isso não invalida o efeito psicológico causado pelo ato de caminhar na brasa. Se bem conduzida,essa metáfora pode promover mudança de crenças na pessoa, levando-a a acreditar mais no seu próprio potencial e na capacidade de superação de obstáculos que se sobreponham às suas metas.


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas: início - aprender - motivação - mente


Compartilhe:



Ganhar mais ou menos dinheiro não significa que alguém saiba ou não viver financeiramente. Qualquer que seja a quantia que se ganhe, o que importa, mesmo, é o quanto você gasta do seu dinheiro. Observe:

• Quem ganha X e gasta X, vive em estado de alerta constante (torneira 1).
• Quem ganha X e gasta menos do que X, vive bem financeiramente (torneira 2).
• Quem ganha X e gasta mais do que X, vive em estado de estresse constante (torneira 3).

Essas três situações são básicas, qualquer que seja a quantidade de dinheiro de que você disponha para viver. 

É certo que outras variáveis participam do processo e delimitam, em certo grau, um montante necessário para que você viva bem. Isso, porém, diz respeito a fatores racionais e emocionais que delimitam as nossas necessidades, e não é deles que estamos falando agora.

Também é certo que outras variáveis determinam a sua capacidade de ganhar dinheiro em maior ou menor quantidade, mas isso diz respeito a fatores operacionais e transpessoais envolvidos nas suas habilidades, e não estamos falando deles neste momento.

Por ora, estamos apenas montando o cenário. A seguir, abordaremos essas variáveis e suas interações, tanto para influenciar no tamanho das suas necessidades quanto no da sua riqueza.

Onde você está? — Determinando a sua posição financeira

Se você quer aprender a viver bem financeiramente, é importante saber qual é a sua posição financeira atual. De acordo com o seu desempenho financeiro, você pode estar em um dos quatro níveis a seguir:

1. Sobrevivência
Você ganha menos do que o necessário para sobreviver e, assim, vai acumulando dívidas e mantendo a cabeça fora da água. O seu dinheiro sempre acaba antes do fim do mês.

2. Trocando seis por meia dúzia
Você ganha o suficiente para fazer suprir suas necessidades, mas é incapaz de economizar. O seu dinheiro e o mês têm a mesma duração: acabou o mês, acabou o dinheiro. 

3. Guardando debaixo do colchão
Você ganha o suficiente e consegue economizar. O que sobra do seu dinheiro você deixa em uma conta bancária, rendendo juros.

Talvez você não saiba que, se deixar dinheiro em uma conta bancária rendendo juros compostos de 6% ao ano, descontado o índice de inflação, levará doze anos para que ele dobre de valor. No entanto, se você usar o cheque especial a 18% ao mês, levará apenas quatro meses para que a sua dívida dobre de tamanho.

Se você colocar 100 dólares na sua conta e deixar rendendo juros, ao final de dez anos você terá dinheiro suficiente para comprar pneus para o seu carro. Porém, se ficar devendo 100 dólares para o banco durante os mesmos dez anos, no final estará devendo o correspondente ao valor de um carro novo.

4. Independência financeira
Você tem uma estrutura financeira sólida: do que você ganha, sobra para economizar. Você investe o que economiza e seus investimentos constituem uma fonte de renda suficiente e importante no seu orçamento.

Em qual dos quatro níveis financeiros você se encontra?


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas: gastos - vida financeira - motivação


Compartilhe:



28/07/2016 às 08h46m - Atualizado 28/07/2016 às 08h50m


Falar é fácil

Se eu começar este artigo aconselhando-o a não trabalhar por dinheiro, mas a colocar o dinheiro para trabalhar para você, estou certo de que você vai pensar:

— Falar é fácil. Quero ver se quem trabalha para pagar contas no final do mês pensa da mesma forma!

Não. Não pensa da mesma forma. Mas eu penso e você também vai pensar depois que souber como saber viver financeiramente. 

Como tudo o que vale a pena na vida, saber viver financeiramente pode não ser tão fácil quanto falar, mas é muito mais simples do que você imagina.

Dupla abordagem
Para viver bem financeiramente, é preciso abordar o assunto sob dois aspectos distintos, mas complementares e igualmente importantes: o físico e o metafísico.

Vive bem financeiramente quem é próspero. E é próspero quem vive a vida por inteiro, sabendo unir os aspectos físico e metafísico do próprio ser. 

De que adianta você estar em sintonia com as leis superiores que regem o fluxo da abun-dância e da prosperidade no Universo, se você não sabe administrar bens e fartura que chegam às suas mãos? E de que adianta enterrar-se no trabalho, esquecendo-se de si mesmo e da vida ao seu redor, achando que disso virá a fartura e a abundância?

A administração física da riqueza, mesmo que todos tenhamos direito a ela por herança divina, ficará sempre nas mãos de pessoas que tenham habilidade para isso. 

No universo, nada se perde
Assim como viemos ao mundo com a missão de "crescer e multiplicar", toda a riqueza também existe para se expandir e ser, cada vez mais, multiplicada. Nunca para se perder.

Quem acha que conseguirá participar desse pool de administradores da riqueza universal apenas com esforço físico, estabelecerá com a riqueza uma relação muito parecida com aquela que um arquiteto e um ajudante de pedreiro têm com um edifício. O arquiteto será muito mais "dono" da obra que o ajudante de pedreiro. 

Antes de mais nada, é bom que se diga que o edifício não pertence a nenhum dos dois, assim como a riqueza universal não pertence a qualquer um de nós. 

O arquiteto, mesmo que nunca tenha visitado a obra, sabe mais sobre o edifício do que o ajudante de pedreiro. E este, apesar de ficar o dia inteiro no canteiro de obras, muito provavelmente terá dificuldade em responder se o prédio será comercial ou residencial. O alcance da sua participação na obra é limitado ao transporte de carrinhos de cimento de um lado para o outro.

Mas assim como existem arquitetos e "arquitetos", existem ajudantes de pedreiro e "ajudantes de pedreiro". 

Ao projetar um prédio residencial em que as áreas de serviço dos apartamentos não tenham ventilação adequada, o arquiteto demonstra falta de conhecimento sobre a utilização prática do seu trabalho. É bem provável que a esse arquiteto também faltem conhecimentos para viver bem financeiramente. 

Por outro lado, o ajudante de pedreiro que, fazendo o rejunte dos azulejos da área de serviço, comenta sobre a dificuldade que será secar roupa naquele espaço mal ventilado, demonstra um conhecimento que faltou ao arquiteto. É bem provável que, com o pouco que ganha, esse ajudante de pedreiro saiba viver bem financeiramente.Mas o que determina essa sabedoria financeira, que não é determinada pela quantia maior ou menor de dinheiro que alguém ganha, é assunto que continuaremos discutindo nos próximos artigos.



e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas: dinheiro - trabalho - motivação - relacionamento


Compartilhe:



21/07/2016 às 08h39m


De que depende a sua produtividade?

Planejamento é fundamental

Um bom planejamento não apenas ajuda na administração de seu tempo e na manutenção de seu foco na meta planejada, como também faz com que você assuma o controle sobre as suas energias e atividades. Entretanto, é preciso saber planejar. Se preparado de maneira inadequada, um plano, necessariamente, produzirá resultados inadequados. 

Comece o seu planejamento pela formação de uma equipe entrosada e confiável, a cujos membros você possa delegar e ter a tranqüilidade de que as tarefas continuarão sendo realizadas com um padrão de qualidade compatível com o seu. Para isso, escolha seus subordinados diretos e permita que eles façam o mesmo.

Aprenda que existe uma grande diferença entre planejamento e preocupação: com um planejamento, você determina as etapas para a execução de suas tarefas e as realiza; preocupando-se, você se ocupa previamente (pré-ocupa) das tarefas que deveria realizar e não as realiza.

Ninguém se mantém produtivo 365 dias por ano, todos os anos. Inclua férias no seu planejamento. E, quando estiver de férias, desligue-se do escritório.

Integrando os seus "eus"

Se você quer eliminar conflitos entre a sua vida pessoal e profissional, assuma de uma vez por todas que uma é extensão da outra. 

Hoje em dia, não é mais possível determinar esses limites. E, a menos que você encare isso com naturalidade, não conseguirá eliminar o conflito e a culpa de estar pensando em trabalho enquanto está com a família e vice-versa.  

Para resolver isso e minimizar um grande fator de estresse do seu dia-a-dia, harmonize a sua finalidade de vida com os seus projetos profissionais, incluindo seus valores pessoais e sonhos no seu planejamento.

Autoridade e liderança

Conheça a extensão da sua autoridade e exerça-a, mas evite confundir autoridade com arrogância. Toda autoridade deve ser exercida com a mesma naturalidade de quem fala o próprio nome. Ou seja: com a naturalidade de quem sabe perfeitamente o que está falando!

Um líder, além da autoridade, também precisa ser uma pessoa capacitada para motivar a sua equipe. Ele deve estar sempre disposto a adiar a sua gratificação subjetiva em favor do grupo. Ou seja, é preciso que ele seja um profissional automotivado, com maturidade suficiente para saber que os elogios devem servir de motivação para o grupo e que a sua motivação deve vir dos resultados.

O saber do líder não deve se limitar ao conhecimento objetivo sobre o seu trabalho ou sobre técnicas motivacionais. O líder deve saber de si. É esse o principal ingrediente da sua segurança e da sua estabilidade emocional que, conseqüentemente, se refletirá no seu relacionamento com o grupo. 

Para ter a colaboração da sua equipe, um líder precisa apreciar sinceramente os esforços e a competência de seus liderados, assim como deve saber recompensar aqueles que lhe dizem a verdade, não importando quão desagradável ela possa ser. E mais: ele precisa ser justo para com todos, mas tem o dever de ser generoso para com os que têm mérito.


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas: produtividade - planejamento - motivação - liderança


Compartilhe:



15/07/2016 às 09h26m


Tenha mais energia

Uma pessoa saudável é aquela que tem energia em todos os níveis do seu ser. Cada nível energético do nosso corpo pede um tipo de nutrição.

Físico

Do nível físico, é preciso cuidar com uma alimentação saudável, capaz de prover energia de boa qualidade para o funcionamento do seu organismo. O corpo humano precisa de vitaminas, proteínas, carboidratos, gorduras e sais minerais. Se você não souber muito sobre o assunto, procure obter mais informações a respeito para ter condições de atender às necessidades do seu organismo.

Para assegurar a qualidade energética do nível físico, também é preciso exercitar-se. A atividade física regular, orientada de acordo com as condições de saúde do seu organismo e com a sua idade, é fundamental para a sua qualidade de vida.  Exercitando-se, você vive melhor, pensa melhor e se sente melhor.

Mental

Para reenergizar-se mentalmente, relaxe e descanse na medida certa para as necessidades do seu corpo: nem mais nem menos. Descubra o quanto você precisa dormir para sentir-se disposto e revigorado.Parte importante da sua energia mental provém da atividade de seus dois hemisférios cerebrais. Quando as atividades de um se sobrepõem às do outro, acontecem os desequilíbrios.

Exercite mais a sua criatividade para  ativar o lado direito do cérebro, pois o lado esquerdo costuma ser predominante na maioria das pessoas.

Emocional

Uma boa energia emocional decorre da boa relação que você tem consigo mesmo. E isso, em conseqüência, permite que você se relacione bem com as demais pessoas e com a vida, mantendo a boa qualidade da sua energia emocional.

Toda a nossa interação com o mundo que nos cerca depende de como nos sentimos intimamente. Logo, é da maior importância conhecer a qualidade das nossas emoções e lidar com elas construtivamente. Quando reagir negativamente a determinada situação, questione-se a respeito. Busque identificar crenças ou julgamentos existentes por trás da sua reação e cuide da causa para que o efeito negativo não se repita.

Espiritual

Existem inúmeras formas para alimentar a sua energia espiritual: meditação, concentração, visualização ou o uso de mantras são algumas delas. Todas, necessariamente, levam ao mesmo objetivo, que é facilitar a sua conexão com a fonte original (Deus) de toda a energia que existe no Universo, do qual você é parte.

A manutenção do nível energético espiritual pode trazer reflexos positivos e duradouros para todos os outros níveis da sua vida.

Nada é para sempre

Certa vez, um viajante chegou à margem de um rio. Como precisava atravessá-lo e não havia ponte, ele mesmo cortou troncos de árvores e construiu uma balsa. Chegando à outra margem, sentiu-se tão apegado à balsa que não teve coragem de abandoná-la. E, assim, carregando-a nos ombros, iniciou a travessia do bosque. Mas a balsa pesava-lhe sobre os ombros. A balsa, que antes tinha sido uma salvação, agora era um problema.

Muitas vezes, a solução de ontem é o problema de hoje. A idéia brilhante do passado pode ser o entulho do presente que contamina o amanhã. 


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas: energia - motivação - mente - corpo


Compartilhe:



07/07/2016 às 09h02m


Etiqueta profissional

Boa aparência é importante, mas não o suficiente para saber viver profissionalmente. As normas de etiqueta profissional devem ser utilizadas do "Olá!"  ao "Até logo". 

A etiqueta profissional não difere em muito da etiqueta que norteia o nosso convívio em sociedade, também conhecida como "boa educação". Portanto, educação, aparência pessoal bem-cuidada, bons modos à mesa e civilidade são premissas básicas. Mas há particularidades que precisam ser conhecidas e respeitadas.

Para os cumprimentos que, em geral, vêm acompanhados de um aperto de mãos, siga estas dicas:
• Se for apresentado a alguém mais importante, espere que a pessoa lhe estenda a mão.
• Se for um homem apresentado a uma mulher, espere que ela lhe estenda a mão.
• O aperto de mãos deve ser sempre curto e firme. 
• Beijo no rosto, só no caso de antigos conhecidos.

Cartões de visita costumam ser trocados no primeiro encontro de negócios, mas sem dobrar a pontinha do cartão! 

Algumas coisas são intoleráveis no campo profissional, como:
• Fofocas, palavrões, mau humor e autopromoção.
• Participar de conversa alheia sem ser convidado (apesar da descontração que possa existir, a hierarquia deve ser sempre respeitada para evitar aborrecimentos futuros).
• Críticar colegas ou a concorrentes, principalmente se estiverem ausentes. 
• Apresentar-se de maneira desleixada: deixar o paletó nas costas da cadeira, andar com o paletó jogado sobre os ombros ou desabotoar o botão do colarinho e baixar o nó da gravata são sinais de desleixo.

A internet já começa a ter regras próprias de etiqueta. Conheça algumas: 
• Seja sempre gentil e educado, pois existem pessoas do outro lado da linha. 
• Cuidado com o que fala, de quem fala e para quem fala. 
• Seja claro e objetivo em seus e-mails; evite o uso excessivo de ícones e abreviaturas.
• Não escreva só em letras maiúsculas. Na internet, isso significa falar alto ou gritar. 
• Padronize sua correspondência eletrônica de acordo com sua correspondência impressa. 
• Respeite direitos autorais do que estiver na rede.

Mas nenhum comportamento, por mais exemplar que seja, é capaz de redimir um profissional que cometa um dos pecados a seguir, que são gravíssimos:
• Faltar com o respeito a clientes, fornecedores, superiores e subordinados.
• Dizer uma coisa e fazer outra.
• Utilizar sua influência para contratar ou promover pessoas de seu relacionamento particular sem que haja a qualificação necessária;
• Assediar alguém sexualmente.
• Praticar ou ser conivente com qualquer tipo de discriminação.
• Utilizar meios desonestos para obter informações sobre a concorrência ou sobre a empresa em que trabalha.
• Participar ou ser conivente com a prática de ganhos ilícitos e/ou negociações fraudulentas.


e-mail: lrsintonia@terra.com.br


Autor: Dr. Lair Ribeiro

Tags relacionadas: etiqueta - profissão - motivação


Compartilhe:



Perfil

Palestrante internacional, ex-diretor da Merck Sharp & Dohme e da Ciba-Geigy Corporation, nos Estados Unidos, e autor de vários livros que se tornaram best-sellers no Brasil e em países da América Latina e da Europa. Médico cardiologista, viveu 17 anos nos Estados Unidos, onde realizou treinamentos e pesquisas na Harvard Unversity, Baylor College of Medicine e Thomas Jefferson University.
Todos os direitos reservados a Marcelo Lopes - www.marcelolopes.jor.br
Proibida cópia de conteúdo e imagens sem prévia autorização!
  • Faça Parte!

desenvolvido por: